A Cura Mortal

Nome: Maze Runner - A Cura Mortal
Autor: James Dashner
Editora: V&R
Páginas: 368
Avaliação: 2,5/5 

Sinopse: Por trás de uma possibilidade de cura para o Fulgor, Thomas irá descobrir um plano maior, elaborado pelo CRUEL, que poderá trazer consequências desastrosas para a humanidade. Ele decide, então, entregar-se ao Experimento final. A organização garante que não há mais nada para esconder. Mas será possível acreditar no CRUEL? Talvez a verdade seja ainda mais terrível... uma solução mortal, sem retorno.





Olá leitores e leitoras, tudo bem?



Hoje finalmente depois de séculos lendo esse livro eu conseguir terminar para fazer uma resenha. E já adianto que estou bem decepcionado com as escolhas do autor... 



Esta resenha é sobre um último livro de uma trilogia. Pode ser que algo que eu fale seja spoiler. Se você tem interesse em ler algum dia e quer fazer isso sem saber de nada, pode voltar aqui depois =D



Em A Cura Mortal nos vamos ter o desfecho da trilogia Maze Runner. (Tem resenha dos volumes anteriores aqui no blog). O livro começa exatamente onde o anterior acabou. Ainda temos aquela dúvida de quem realmente é o CRUEL e se ele é bom. No desenrolar da história a gente vai descobrindo algumas coisas e absorvendo o dobro de dúvidas. Até que eles bolam um plano e o final acontece...  



Por ser o desfecho, eu não posso contar tudo o que acontece pois qualquer frase seria um spoiler , então vamos parar por aqui... 



Já começo dizendo que fiquei decepcionado com esse volume. Os dois primeiros livros foram incríveis! Já desse eu não posso dizer o mesmo.


De cara eu estava gostando, afinal estavam continuando uma história que eu gostava muito. A escrita do autor não se desenvolveu, continuou do mesmo jeito, rápida e com um toque de suspense. Mas a forma como tudo aconteceu me incomodou bastante.

Começando pela dúvida do autor de como terminar tudo. A cada capítulo a gente tinha uma opinião diferente de quem era bom ou mal na história. O CRUEL? Continuo sem saber... Eles ficaram indo de um lugar a outro para encontrar pessoas que nunca estavam no lugar que deveriam estar. Isso se estendeu pelas primeiras 200 páginas.

Finalmente, depois de algumas páginas, a leitura conseguiu me prender pois algumas coisas começaram a acontecer. O vai e vem ainda existia. Alguns personagens antigos aparecem, outros morrem e depois aparecem novamente para morrer de novo... Que inclusive foi bem triste ler essa cena. :/

E finalmente chegamos ao final. Eles bolam um plano para tentar entender tudo o que acontece e de certa forma salvar o mundo. O plano entra em ação e fim... Eu percebi que o autor estava totalmente sem ideia de como terminar aquilo tudo. Ele simplesmente faz com que passem por um lugar e pronto. Foi uma coisa tipo outra realidade, sabe? "Ah, passa aqui nessa máquina e você vai para outro lugar. Nada disso importa mais, pronto! Agora vai viver". entenderam? Eles passaram TRÊS LIVROS lutando, sofrendo e investigando para no final ser uma coisa do tipo " Era só isso que você precisava fazer." 

Ele deu um final tão "simples" para a história que eu fiquei revoltado! Se eu soubesse disso, teria colocado todo mundo para fazer o que fizeram no primeiro livro e estava tudo bem! Claramente temos um autor que por pressão de editora ou algo parecido, foi obrigado a alongar sua história que caberia em um livro apenas para vender mais... E adicionar um romance bem discreto que também foi resolvido de uma forma totalmente "E agora?, não sei o que fazer... acho que vou matar  alguém aqui só para você não ter que escolher, que tal?"

E minha teoria de que as trilogias existem por motivos de dinheiro se confirmou aqui. Eu li 3 distopias "adolescentes" na minha vida até agora. Jogos Vorazes, Divergente e esta. No JV eu saquei a jogada da editora, mas achei que fosse coisa da minha cabeça. Li a Divergente e percebi de novo, mas com Maze Runner tudo se confirmou... E que triste viu?

O que acontece é o seguinte. Essas histórias, aparentemente, foram planejadas para terem só um livro. Todas elas a gente sempre acaba gostando MUITO do início, mas chega as continuações e a montanha-russa desce e fica por lá mesmo. E por quê isso acontece? Alguém deve chegar para o autor e falar "Não, vamos fazer um dinheiro aqui. Deixa um gancho e coloca um romance para chamar atenção dos caça-shippers e vamos alongar isso aqui".

Outro dia a Tatiana Feltrin fez um vídeo sobre Divergente e distopias adolescentes que eu assisti do início ao fim dizendo "AHAM, É ISSO MESMO QUE VOCÊ FALOU". Eu recomendo muito que vocês assistam e entendam a minha frustração com esse tipo de final. Vou deixar abaixo...






Para finalizar esse desabafo e a minha resenha eu vou dizer aqui que se você leu os primeiros livros deve sim continuar a leitura, afinal é horrível deixar algo pela metade. Vale a pena? Não... afinal não responde nem metade das nossas dúvidas, contém apenas um final que de certo modo resolve tudo sem precisar resolver nada... 

Minha nota 2,5 para o livro se resume apenas a escrita do autor que não deixa de ser boa, único problema (e que problema) é a forma como as coisas caminham... Enfim. Desculpem o desabafo!

Vocês leram esse livro, gostaram? E as outras distopias, perceberam isso também? Por favor deixe aqui nos comentários e vamos conversar! Preciso de outras opiniões!
=D


Por isso eu passei a gostar de livros independentes...

(Gente e sou legal, não se assustem hahaha)

Espero que tenham gostado e me entendido. Quero deixar claro que não estou xingando as séries, de forma alguma, só estou decepcionado com os finais que tinham tudo para ser incríveis. 

Até a próxima :)



Siga o blog no Google Friends Connect e as redes sociais para ficar por dentro de tudo que acontece por aqui! Muito obrigado pela visita! 


Blog Literando || Facebook || Twitter  || Instagram || Skoob || Snapchat - vitorlpb