segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Seashore | Beira-Mar





Depois de perder aquele velho preconceito sobre ver filmes nacionais, resolvi embarcar na cultura do nosso país. Encontrei vários títulos voltados para a comédia e ação (que inclusive são ótimos), mas eu queria mais. Fui atrás do meu gênero favorito: Drama. Encontrei! Encontrei um tesouro bem precioso...

Títulos como 'Hoje eu Quero Voltar Sozinho', 'As Melhores Coisas do Mundo' e 'Divã' abriram meus olhos para o cinema brasileiro. Antes de falar sobre o incrível Beira-Mar, gostaria de pedir vocês para prestarem atenção nas produções brasileiras, tanto o cinema quanto a literatura e afins, vale muito a pena. 

Beira-Mar retrata a viagem de dois amigos, Tomaz e Martin. Dois garotos gaúchos que estão indo ao litoral. Martin precisa resolver assuntos com uma parte de sua família que não tem contato há muito tempo, algo relacionado a herança. Tomaz resolve acompanhar o amigo para uma reaproximação na amizade. Os dois vão sozinhos para uma casa na beira de uma praia e aproveitam o momento para se diverti, fugir um pouco do círculo familiar e pensar sobre a vida. 

Roteirizado de forma bem simples e com cenas silenciosas, o filme traz um enredo bem profundo e um pouco complexo. Além de mostrar a viagem dos dois, o filme toca em assuntos que giram em torno do desenvolvimento pessoal. 

A fotografia ajuda a criar um clima de inverno mostrado no filme e ainda traz a sensação de um certo desconfortos e de emoções escondidas referente aos acontecimentos, como por exemplo diálogos entre amigos e aqueles momentos de silêncio constrangedor. A intenção disso seria mostrar como os dois se afastaram e estão tentando se socializar. 

Vários momentos em que estão sozinhos isso acontece. Percebemos que eles estão tentando relembrar como era antes, mas se sentem reprimidos e com uma certa vergonha de se expressar. Os diálogos também mostram bastante desse lado, são sempre informações importantes como uma história sobre uma surra e a "resposta educada" como "Nossa...que triste". Com o desenvolver da trama, essa sensação de monotonia vai ficando para traz e dando espaço para um afeto maior entre os dois e reflexões sobre a vida, onde eles resolvem alguns problemas internos como sexualidade, relações familiares, e dramas em geral. Nada muito pesado, tudo acontece naturalmente.



As duas cenas finais do filme são incríveis! A primeira é um telefonema do Martin com o seu pai. Em poucas frases, vemos ele se libertando, de certa forma, de uma fase de sua vida onde ele foi afastado de certas coisas por causa dos problemas familiares. A outra cena começa com os amigos conversando e passando a noite juntos, ela termina com o Martin atravessando a rua e entrando no mar gelado, sozinho e sem medo. Se você prestar bastante atenção no filme, vai perceber o quão incrível e genial foi essa cena! Uma palavra para definir? Acho que libertação... 

Eu sou uma pessoa que gosta bastante de filmes que mostram de forma simples e "artística" os sentimentos e acontecimentos da vida. São eles os filmes de Drama, Comédia e até Thriller Psicológico. Nesse filme temos apenas o Drama, que foi o suficiente para me deixar apaixonado. É um filme monótono e talvez não agrade a todos, o que para mim não foi um problema. Se você se interessa por esse tipo de filme, pode assistir sem medo, vale muito a pena.

Curiosidades: O filme ficou bem popular no exterior e levou prêmios como melhor filme e melhor trama com temática LGBT em mostras de cinema brasileiras.

O cabelo azul do Tomaz provavelmente é uma referência a personagem do filme 'Azul É A Cor Mais Quente'

Ano de lançamento2015
DireçãoMárcio ReolonFilipe Matzembacher
FotografiaJoão Gabriel de Queiroz
ElencoMateus AlmadaMaurício BarcellosIrene Brietzkemais
Trilha Sonora: Mateus AlmadaFelipe Puperi
RoteiroMárcio ReolonFilipe Matzembacher













Até mais :)


Postado Por: Vitor

Seashore | Beira-Mar

Compartilhe:

Postar Um Comentario

Facebook
Blogger

2 comentários:

  1. Esse filme é simplesmente o ouro que o cinema brasileiro precisava, junto é claro, com "Hoje eu quero voltar sozinho". Eu amo de paixão esse livro e também amo de paixão o seu blogs! Sedento por mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho" é maravilhoso! Muito bom mesmo! <3
      Muito obrigado pelo comentário! *_*
      Abraço!

      Excluir

Translate

Skoob

Total de visualizações de página

- Blog Literando - Todos os direitos reservados. Design e codificação por Raphael Cardoso